«Álvaro Cunhal é uma personalidade marcante, em Portugal e no mundo

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Em Vila do Conde, na Biblioteca José Régio...

Por mail amigo foi recebida esta informação.de uma iniciativa na Biblioteca José Régio, em Vila do Conde:



Assinala-se,  este ano,  o 1º centenário do nascimento de Álvaro Cunhal. Conhecido como um dos  mais importantes políticos do século XX português,  é também um dos atores mais ativos no processo de construção da vivência democrática nacional,   do pós 25 de Abril. Uma das suas facetas menos  conhecidas é o gosto pela arte, nomeadamente pela literatura e pelo desenho. Com o pseudónimo Manuel Tiago, assinou quase uma dezena de títulos de ficção, com traços autobiográficos, que se enquadram no movimento neo-realista. Cunhal foi um dos principais mentores desta corrente artística, sendo conhecida,  a este propósito, a polémica com José Régio.
A Biblioteca dedica-lhe o evento Na última sexta-feira marcamos encontro com..., de Abril, que terá lugar no dia 26, pelas 21,30h. A figura de  Cunhal, nomeadamente o a sua perspetiva estética e filosófica quanto ao papel político da arte,  será evocada pelo historiador Prof. Dr. Manuel Loff. O nosso convidado  é professor associado da Universidade do Porto, integrando o Departamento de História e Estudos Políticos e Internacionais. É   investigador no Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa. Dedica-se, há mais de 20 anos,  ao estudo do século XX, especialmente as ditaduras da Era do Fascismo e os processos de construção social da memória da opressão ou das experiências da sua superação. Doutorou-se  no Instituto Universitário Europeu (Florença). Colabora   com várias universidades e centros de investigação europeus e americanos. Assina, quinzenalmente, uma coluna de opinião no jornal Público. No Átrio Principal da Biblioteca, estará patente, a partir de 18 de Abril, uma  pequena exposição sobre Cunhal. 
__________________________________

Sublinha-se a importância e o significado desta iniciativa.
Pela iniciativa em si mesma, e contexto em que se enquadra; pelo convidado, pela sua qualidade profissional e postura cidadã; por José Régio estar ligado a uma das mais acesas polémicas que Álvaro Cunhal teve, em 1939 (com 25/26 anos), precisamente sobre arte, literatura e posições perante a política e a vida (se é que não se confundem...).
Como gostaríamos de poder estar presentes!
S.R.


Sem comentários:

Publicar um comentário