«Álvaro Cunhal é uma personalidade marcante, em Portugal e no mundo

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Há 25 anos


(Entrevista de Álvaro Cunhal à revista Polítika - 10/03/88)
(...)

P - E quanto à CEE?
...
R - No
que respeita à CEE aquilo que dizes é justo. Há camadas sociais que beneficiam e há uns bons milhões distribuídos e que tocam milhares de pessoas. Mas de uma forma geral, cremos que a parte que beneficia é incomparavelmente inferior à parte que paga caro a nossa entrada na CEE. O pacote laboral, por exemplo, é um preço da integração na CEE. É a tentativa de impor aos nossos trabalhadores condições de trabalho, de exploração desenfreada ao abrigo e com o pretexto da integração na CEE.

P -
Isso é mais o levar à CEE a divisão social do trabalho. Nós somos a Taiwan e a Coreia do Sul a CEE...

R - Estou de
acordo com a observação que acabas de fazer. está o preço. A integração na CEE reduz os trabalhadores portugueses à condição de contratados a prazo. Amanhã instalam umas fábricas de componentes, na primeira altura vêem que os salários são mais baixos em qualquer país distante, encerram a fábrica aqui, inauguram uma fábrica e os trabalhadores portugueses ficam desempregados. Aqui está um aspecto da divisão internacional do trabalho. Masmais naturalmente. Nas pescas destroem as nossas pescas; na agricultura sectores com importância são sacrificados; projectos nacionais como a Siderurgia, a metalurgia do cobre e outros são abandonados. É uma divisão internacional do trabalho em que Portugal é o «sobrinho pobre, em casa da tia rica...»

Quanto aos fundos, há muitos alçapões em que desaparecem

Sem comentários:

Publicar um comentário