«Álvaro Cunhal é uma personalidade marcante, em Portugal e no mundo

sábado, 31 de agosto de 2013

Debate em contraditório versus farisaísmo

Extractos de uma espécie de diário:
(...)
Num jornal desse dia, o Público, que por mero acaso me caiu nas mãos, um título “agarrou-me”: Obrigado, dr. Cunhal!
&-----&-----&
Sem me iludir, mas aberto a surpresas agradáveis que a comemoração do centenário de Álvaro Cunhal tem proporcionado, li-o com interesse, até porque o tema era Debate-Interrupção da gravidez, e a escrita escorrida e escorreita, como é próprio de quem faz da língua um veículo de argumentação e de doutrinação. 
&-----&-----&
Pois o autor – o doutor Portocarrero de Almada (PdeA) – fez do seu escrito uma verdadeira lição de farisaísmo.
&-----&-----&
Se começa por se associar a “essa venturosa efeméride” do centenário do nascimento do “mítico secretário-geral do Partido Comunista Português”, o excurso bem nos deixa a dúvida sobre o que PdeA considera venturoso na efeméride.
&-----&-----&
Enuncia ele três motivos para justificar o que  diz ser “homenagem, que parece contradizer a minha condição de sacerdote católico” e que, por o ser como é, exclui a contradição dialéctica.
&-----&-----&
Logo o prova ao enunciar o primeiro motivo – de ordem familiar! –, revelando um incontido azedume por Cunhal se referir, «em tom muito depreciativo, a um meu avô, também jurista e autor de O crime do aborto, obra contrária a todo e qualquer aborto, que já Santo Agostinho considerara “o mais abominável crime”»
&-----&-----&
Que PdeA, tal como seu avô e Santo Agostinho, assim pense não é de estranhar e está no seu pleníssimo direito.
&-----&-----&
Já não se pode aceitar que, ao referir o segundo motivo, sublinhando que Cunhal afirma que “o aborto é um mal”, embrulhe essa afirmação numa argumentação que pretende ignorar o carácter jurídico da tese de Cunhal, que trata da descriminalização do aborto terapêutico e, sobretudo, ataca as causas da existência do mal e procura prevenir os perigos da sua clandestinidade, a que os estratos populacionais economicamente folgados se eximem pagando o preço que for acordado e/ou onde ele esteja legalizado.
&-----&-----&
O terceiro motivo é, diria, ridículo, pois PdeA considera que a apresentação daquela tese – “não obstante o reduzido mérito científico do trabalho”, como tão depreciativamente o etiqueta – desmente “uma certa historiografia moderna (que) negaria liberdade de opinião e de expressão nos meios universitários”, apesar de conceder o “inegável e censurável carácter autoritário do antigo regime”.
&-----&-----&
“Antigo regime”, a que idónea historiografia chama fascismo e que torturou violentamente o “beneficiário dessa “liberdade de opinião”, lhe pôs em vida em perigo várias vezes - como camaradas seus não resistiram -, o encarcerou (8 anos em isolamento) de que só se libertou em fuga colectiva heróica
&-----&-----&
Mas se o “Obrigado, dr. Cunhal!” ilustra a hipocrisia de todo o texto, justifica-se que, a título pessoal, agradeça a PdeA o ter-me obrigado a procurar a referência ao seu avô feita por Álvaro Cunhal, e assim ter-me levado a reler o trabalho em que este terá sido depreciativo para o seu antepassado.
&-----&-----&
É que, segundo Cunhal no seu trabalho, há quem fale «com notável impudência de assuntos de que mostra ignorância: “Nem no caso da prenhez ser consequência de violação sobre (sic!) mulheres idiotas, admitimos que seja provocado o aborto, visto que, sendo ainda muito obscuras as leis da hereditariedade, o que há a fazer, como nos outros casos de violações, é confiar-se a criança aos cuidados do Estado”» (O crime do aborto, Dr. Mendes Correia, Lisboa, 1935, pg.127)
&-----&-----&
Mas, sendo essa uma posição ideológica, vai mais longe, reclamando que se “recuse o direito de dar vida a alienados, a epilépticos, a degenerados, a criminosos, a vagabundos, a estropiados físicos e psíquicos, a mendigos profissionais, a alcoólicos, a sifilíticos.”
&-----&-----&


Sem aborto, terapêutico e em quaisquer circunstâncias, e a caminho da raça pura, em que se incluiria, evidentemente, a castração como pena para alguns crimes ou situações!
(...)

Sem comentários:

Publicar um comentário